Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O general da reserva José Vietri, chefe da guarda presidencial em 2002 no governo do falecido Hugo Chávez, é visto em 9 de maio de 2002

(afp_tickers)

O general da reserva José Vietri, chefe da guarda presidencial em 2002 no governo do falecido Hugo Chávez (1999-2013), foi detido para ser investigado pela Procuradoria Militar sob a acusação de armar uma rebelião, informou seu advogado nesta segunda-feira.

"Hoje (segunda), um tribunal militar ratificou a detenção do general Vietri, que foi preso na sexta-feira passada", disse seu advogado, Alonso Medina Roa, por telefone à AFP.

O general, de 61 anos, na reserva há oito, "foi acusado por um oficial de querer cooptá-lo para participar de uma rebelião militar", anunciou o advogado, acrescentando que esse testemunho "é a única prova contra ele".

O general, preso na sexta em sua casa em Caracas, foi apresentado nesta segunda-feira a um tribunal militar. A Corte ratificou a privação de liberdade para abrir um prazo de 45 dias, nos quais a Procuradoria deve apresentar provas contra ele para iniciar um processo formal.

Segundo o advogado, Vietri foi chefe da Casa Militar (guarda presidencial) em 2002. Depois disso, também teve outros cargos, entre eles, o de chefe do Estado-Maior do Exército, inspetor-geral do Exército, diretor-geral da Academia Militar e adido militar em Washington.

O advogado disse que a investigação contra Vietri "é diferente" das causas abertas contra outros três generais acusados em março passado pelo presidente Nicolas Maduro de conspirar contra seu governo. O nome desses generais ainda não foi divulgado, assim como os detalhes do processo contra eles.

O governo venezuelano e a Força Armada não se pronunciaram sobre a detenção de Vietri.

Durante o governo de Maduro, que começou em 19 de abril de 2013, outras tentativas de golpe foram denunciadas, mas seus detalhes tampouco foram divulgados.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP