Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Paul Manafort, ex-chefe de campanha de Donald Trump, se declarou culpado de acusações de conspiração, no âmbito de um acordo de cooperação com a investigação do procurador especial Robert Mueller sobre o caso russo

(afp_tickers)

Paul Manafort, ex-chefe de campanha de Donald Trump, concordou nesta sexta-feira (14) em cooperar com a investigação sobre a ingerência da Rússia nas eleições de 2016 nos Estados Unidos, aumentando a pressão sobre a Casa Branca.

Já condenado por atividades financeiras fraudulentas antes da campanha, Manafort chegou a um acordo nesta sexta com a equipe do procurador especial Robert Mueller.

O ex-consultor político do presidente aceitou se declarar culpado de conspiração contra os Estados Unidos e por obstrução à Justiça. Mas, sobretudo, concordou em cooperar com a investigação de Mueller.

Imediatamente, a Casa Branca buscou distanciar Trump de Manafort. "Isso não tem a ver com o presidente, ou com a sua vitoriosa campanha de 2016", assinalou a secretária de imprensa, Sarah Sanders.

Manafort, que trabalhou para a campanha de Trump durante quase seis meses em meados de 2016, já foi declarado culpado de outras oito acusações relacionadas a uma fraude financeira, em um julgamento que ainda aguarda sentença.

Estas se relacionam ao trabalho de Manafort para o ex-presidente ucraniano Viktor Yanukovich e seu partido político pró-Moscou entre 2005 e 2014. Nesta sexta, Manafort admitiu ter ocultado das autoridades e do fisco as suas atividades de assessoria a Yanukovich e ter tentado subornar as testemunhas.

Ao se declarar culpado, Manafort evita um novo julgamento embaraçoso. Ele tomou essa decisão para "proteger a sua família", declarou seu advogado Kevin Downing após a audiência em Washington.

No tribunal, Manafort se mostrou impassível, respondendo de forma monossilábica às perguntas da juíza Amy Berman Jackson.

No entanto, seu rosto ficou sombrio quando a juíza enumerou as propriedades que seriam confiscadas como parte de sua declaração de culpa, incluindo uma mansão em Long Island.

Segundo o acordo, ele permanecerá detido até que a juíza Jackson dê a sua sentença, que pode ser de até 10 anos de prisão.

"Se cooperar plenamente, poderá dar informações importantes", assinalou o legislador democrata Adam Schiff, membro da comissão de Inteligência da Câmara baixa, assinalando uma "importante vitória" para Mueller.

Manafort "esteve envolvido ou à par de acontecimento-chave da campanha de Trump, incluindo a reunião na Trump Tower, na qual a equipe acreditou estar recebendo informações comprometedoras sobre Hillary Clinton", disse.

A decisão de Manafort de colaborar é tomada menos de um mês após Michael Cohen, ex-advogado de Trump, acordar com procuradores federais uma declaração de culpa na qual envolveu o presidente em violações às leis de financiamento eleitoral.

Na época, Trump elogiou a então "corajosa" atitude de seu ex-chefe de campanha de se negar a "ceder" às pressões dos procuradores para conseguir um "acordo" judicial em seu favor, "diferentemente" de Cohen.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP