Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Os telefones de Paul Manafort, ex-chefe da campanha à presidência de Donald Trump, foram 'grampeados'

(afp_tickers)

Os telefones de Paul Manafort, ex-chefe da campanha à presidência de Donald Trump, foram 'grampeados' por uma ordem judicial secreta, antes e após as eleições de 2016, revelou nesta segunda-feira a rede de TV CNN.

As escutas telefônicas permaneceram até o início de 2017, quando se sabia que Manafort conversava com o atual presidente, destaca a CNN.

Não está claro se Trump foi gravado nas escutas.

No passado, Trump acusou o então presidente, Barack Obama, de realizar escutas ilegais na Trump Tower, algo sobre o qual o departamento de Justiça declarou não ter evidências, no início deste mês.

Manafort foi chefe da campanha de Trump entre junho e agosto de 2016.

Segundo a CNN, três fontes contaram que as escutas despertaram preocupação de que Manafort estivesse incitando os russos a ajudar Trump na campanha.

Duas das fontes destacaram que as gravações não foram conclusivas sobre a suspeita.

Manafort foi colocado sob investigação em 2014, por sua atuação em grupos de consultoria de Washington a favor do então partido no poder na Ucrânia. O processo foi suspenso em 2016, por falta de provas, mas acabou sendo retomado e permaneceu até o início de 2017.

A retomada das investigações estava relacionada a uma investigação do FBI sobre contatos entre a campanha de Trump e agentes russos, segundo fontes da CNN.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP