Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Humberto de la Calle

(afp_tickers)

Humberto de la Calle, chefe negociador do governo colombiano nos diálogos que selaram o histórico acordo de paz com os rebeldes das Farc, anunciou nesta quarta-feira sua candidatura à Presidência da Colômbia.

"Me sinto capacitado para conduzir o país pelo caminho da paz, do diálogo, da união entre todos", disse o político liberal de 71 anos.

De la Calle lançou seu nome formalmente às vésperas das eleições de maio de 2018, em um modesto ato celebrado em Bogotá com sua família e colaboradores que foi transmitido pelas redes sociais.

O ex-chefe de equipe que durante quatro anos negociou em Cuba a paz com a maior guerrilha do continente, se presentou como um candidato capaz de liderar uma ampla coalizão que defenda o acordo alcançado com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

O acordo, que permitiu o desarmamento de quase 7.000 rebeldes e prevê a transformação do grupo em partido político, é bastante questionado por setores de direita liderados pelo ex-presidente Álvaro Uribe (2002-2010).

Diante da polarização gerada pelo acordo com as Farc - que segundo Uribe confere impunidade a acusados de crimes graves -, de la Calle prometeu trabalhar por "uma sociedade onde caibamos todos".

Ele reiterou que a opção de que um novo governo reajuste o pactado "reabre possibilidades a velhas e novas violências" e "desonra a palavra empenhada" no acordo.

O ex-negociador, que foi vice-presidente nos anos noventa e um dos artífices da Constituição de 1991, prevê liderar uma coalizão de forças a favor do acordo, embora não tenha informado se buscará o aval de algum partido tradicional.

Os colombianos vão escolher o sucessor de Santos em eleições que devem ser celebradas em 27 de maio de 2018.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP