Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O ex-presidente de Honduras Porfirio Lobo

(afp_tickers)

O ex-narcotraficante Devis Leonel Rivera Madariaga - acusado de assassinar 78 pessoas em Honduras - revelou às autoridades dos Estados Unidos que pagou milhões em subornos ao ex-presidente de Honduras Porfirio Lobo (2010-2014), em troca de proteção.

Ex-líder do cartel Los Cachiros que se entregou à DEA (agência antidrogas dos EUA) em 2015, Madariaga depôs nesta segunda-feira em um tribunal de Nova York, como parte do processo contra Fabio Lobo, filho de Porfirio e acusado de conspirar para enviar cocaína aos Estados Unidos.

Durante mais de três horas e meia, Rivera revelou à juíza Lorna Schofield que seus contatos com os Lobo, com políticos, com a polícia e com os militares ajudaram o cartel a receber toneladas de cocaína em Honduras.

A droga, proveniente de Colômbia ou Venezuela, atravessava Honduras e seguia por Guatemala e México até chegar aos Estados Unidos.

Segundo o narcotraficante, o primeiro suborno a Porfirio Lobo foi de "aproximadamente 250.000 a 300.000 dólares", pago em 2009, quando se preparava para concorrer à presidência.

Madariaga acusou ainda o atual ministro da Segurança, Julián Pacheco Tinoco, que foi assessor do Lobo, de receber suborno para proteger o narcotráfico.

O depoente revelou ainda que acertou em 2009 com outros traficantes e um atual deputado o assassinato, por parte de "um grupo de policiais", do encarregado antidrogas de Honduras, general Julián Arístides González, em troca de entre 200.000 e 300.000 dólares.

De acordo com Madariaga, Fabio Lobo era o interlocutor do governo junto ao cartel Los Cachiros, e ficou encarregado de ajudar o grupo em questões de segurança.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP