Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Reprodução de vídeo) Entrada do hotel onde Ullrich foi detido nesta sexta-feira

(afp_tickers)

O ex-ciclista alemão Jan Ullrich, 44, vencedor da Volta da França em 1997, foi internado em um hospital psiquiátrico, após ser detido ontem, em Frankfurt, por ter agredido uma prostituta.

"Seu estado de saúde será avaliado por especialistas", declarou neste sábado à AFP um porta-voz da polícia daquela cidade alemã.

Após passar a madrugada de ontem com uma prostituta de 31 anos, Ullrich a agrediu, segundo a promotoria. A polícia deteve o ex-campeão na manhã de sexta-feira, em um hotel de Frankfurt.

Ullrich "estava sob o efeito de álcool e drogas" durante a detenção, assinalou a procuradora Nadja Niesent, anunciando a abertura de uma investigação por tentativa de homicídio e lesão corporal.

De acordo com a procuradoria de Frankfurt, a polícia decidiu deixar Ullrich em liberdade, uma vez que "não se reúnem as condições para a prisão". Novamente solto, Ullrich sofreu uma suposta crise de pânico, que o levou a provocar um novo incidente.

"Devido a seu estado mental e físico, não havia outra escolha" que não transportá-lo a um hospital psiquiátrico , explicou um porta-voz da polícia à AFP.

O vencedor da Volta da França de 1997 havia retornado, na última quinta-feira, da ilha espanhola de Mallorca, onde vive, para iniciar um tratamento contra o vício em álcool e drogas. Uma semana antes, havia sido detido pela polícia espanhola por ter invadido a casa de seu vizinho, o ator e cineasta alemão Til Schweiger.

Após ser liberado, Ullrich declarou que desejava iniciar sua desintoxicação, que lhe permitiria, entre outras coisas, voltar a ver os três filhos, que estão sob a guarda da mãe desde a separação do casal, no fim de 2017.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP