O ex-diretor de campanha de Donald Trump Paul Manafort, já declarado culpado de fraudes bancárias e fiscais, pode ser condenado a una pena mais grave do que a esperada, depois de que um juiz decidiu, na quarta-feira, que ele rompeu seu acordo com a investigação do procurador especial Robert Mueller sobre a ingerência russa nas eleições de 2016.

Manafort, de 69 anos, que durante um breve período dirigiu a campanha de Trump, tinha se declarado culpado, entre outras acusações, de ter tentado ocultar contatos com o embaixador da Rússia em Washington antes da posse do republicano como presidente dos Estados Unidos.

Com essa declaração, que incluía a cooperação com o FBI, se garantia uma condenação de um máximo de 10 anos de prisão. Mas a equipe de Mueller, encarregado da investigação sobre um eventual conluio entre Moscou e a campanha de Trump em 2016, o acusou de ter mentido e por consequência violado o acordo.

Isso foi o que confirmou nesta quarta-feira um juiz federal, segundo o qual Manafort mentiu "intencionalmente" sobre seus contatos, em 2016 e 2017, com Konstantin Kilimnik, um ex-sócio vinculado aos serviços de inteligência russos.

Segundo a decisão, Manafort também mentiu sobre um dinheiro pago a um escritório de advogados.

Com esta decisão, a equipe de Mueller deixou de ser obrigada a respeitar o acordo alcançado com Manafort.

A violação do pacto poderia agravar a pena a que Manafort pode ser condenado em outro julgamento, por fraude bancária e fiscal, no qual ele já foi considerado culpado.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.