Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A ex-ministra da Economia da Argentina Felisa Miceli ouve sua sentença em corte de Buenos Aires, no dia 6 de abril de 2015

(afp_tickers)

A ex-ministra da Economia da Argentina, Felisa Miceli, foi novamente condenada nesta segunda-feira a três anos de prisão por corrupção, no episódio em que escondeu, em 2007, uma bolsa com milhares de dólares em seu gabinete.

Miceli, que ocupou a pasta da Economia durante o governo de Néstor Kirchner (2003/2007), se livrou de ir para atrás das grades porque a lei argentina determina que o cumprimento efetivo da pena só ocorre quando ela for superior a três anos, segundo a decisão divulgada pelo Centro de Informação Judicial (CIJ).

A ex-funcionária, de 62 anos, foi condenada a três anos e meio de prisão por outro tribunal, mas apelou da decisão. A partir de agora, Miceli pode ser presa caso seja condenada por outro delito.

Segundo o CIJ, vinculado à Suprema Corte do país, o Tribunal Oral Federal 1 também determinou que Miceli não poderá ocupar cargos públicos por seis anos.

Miceli foi condenada por ter guardado no banheiro de seu gabinete do ministério da Economia 31.730 dólares e 100.000 pesos (agora US$ 11.300) em espécie, que ela atribuiu a uma operação imobiliária pessoal.

Por isso, a funcionária renunciou ao cargo em 16 de julho de 2007, cinco meses antes da finalização do mandato de Néstor Kirchner.

AFP