Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O ex-presidente guatemalteco Otto Pérez, na Cidade da Guatemala, no dia 8 de setembro de 2015

(afp_tickers)

O ex-presidente guatemalteco Otto Pérez apelou, nesta quinta-feira, da ordem de prisão preventiva determinada por um juiz na abertura de um processo penal contra ele.

Pérez é investigado por uma milionária fraude fiscal que o levou a renunciar ao cargo em 2 de setembro passado.

O advogado do réu, César Calderón, disse à imprensa que os direitos de seu cliente foram feridos com sua reclusão em uma prisão civil habilitada no quartel militar Matamoros, no centro da Cidade da Guatemala.

Calderón alega que a detenção não é necessária, já que Pérez, depois de renunciar à presidência, apresentou-se voluntariamente perante o juiz. Segundo ele, não há risco de fuga. Em troca da detenção, Calderón pede que seja concedida a Otto Pérez uma medida substituta, como liberdade condicional.

O juiz Miguel Angel Gálvez, titular do Juizado de Maior Risco B, encarregado do caso, determinou que Pérez seja processado pelos crimes de associação ilícita, fraude alfandegária e corrupção passiva.

General da reserva de 64 anos, Pérez é apontado como um dos chefes de uma rede chamada "La Línea", que cobrava subornos de empresários para sonegar impostos. A quadrilha foi descoberta em abril passado pelo Ministério Público e por uma comissão da ONU contra a impunidade na Guatemala.

A promotoria dispõe de três meses para investigar e fundamentar a acusação e levar o ex-presidente a um julgamento oral e público. Para isso, o juiz programou uma audiência em 21 de dezembro.

Como parte dessas denúncias, outro juiz autorizou na quarta-feira o congelamento de várias contas bancárias de Pérez.

A ex-vice-presidente Roxana Baldetti também está em prisão preventiva, acusada de comandar a rede criminosa ao lado de Pérez.

O escândalo provocou uma onda de protestos no país, com uma multidão pedindo a renúncia de Pérez e Baldetti. Agora, após a dupla renúncia, a população exige que sejam julgados e punidos.

AFP