Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O ex-presidente iemenita Ali Abdallah Saleh acena em Sanaa

(afp_tickers)

Milhares de partidários do ex-presidente iemenita Ali Abdullah Saleh comemoraram nesta quinta-feira (24) o aniversário de seu partido fazendo uma demonstração de força, em um contexto de forte tensão com seus aliados, os rebeldes huthis, que controlam a capital.

Na guerra que domina o Iêmen, as forças leais a Saleh se aliaram aos rebeldes huthis, apoiados pelo Irã e que tomaram a capital Sanaa em setembro de 2014.

Manifestantes procedentes de diferentes regiões do país acamparam na praça Sabyin para celebrar o 35º aniversário da criação do Congresso Popular Geral (CPG), o partido de Saleh.

Na praça, via-se um mar de bandeiras nacionais, retratos do ex-presidente e cartazes de apoio ao dirigente que controlou o país por três décadas.

A dimensão da manifestação ilustra a capacidade de mobilização do CPG, uma formação nacionalista árabe que sobreviveu, como seu chefe, à chamada Primavera Árabe, movimento responsável pela queda de outros dirigentes e seus partidos.

Saleh, de 75 anos, fez uma breve aparição, na qual tentou mostrar que continua sendo um protagonista da política no Iêmen.

- Solidez -

"Somos uma formação política pioneira e com uma sólida base. Enfrentamos a agressão e os complôs desde 2011", afirmou, em referência ao ano em que se viu obrigado a deixar o poder ante a pressão popular.

Saleh recomendou a seus partidários paciência e resistência para fazer todos os complôs fracassarem.

Dirigentes do CPG criticam abertamente a gestão dos huthis, que atrasam o pagamento dos funcionários e militares que combatem as forças do governo reagrupadas no sul e apoiadas pela coalizão liderada pela Arábia Saudita.

- Mal-estar -

Segundo os analistas, os huthis suspeitam de que Saleh esteja negociando em segredo com a coalizão árabe que ajuda o governo reconhecido pela comunidade internacional.

Já o ex-presidente acusa os huthis de quererem concentrar todo poder.

Em função do ato desta quinta, os huthis estabeleceram pontos de controle nos acessos a Sanaa, mas não impediram que os partidários de Saleh chegassem à Sabyin.

Saleh se aliou em 2014 aos huthis, os quais havia combatido quando era chefe de Estado. Essa cooperação recente permitiu que ele expulsasse as forças pró-governo para o sul. Estas últimas conseguiram se salvar, graças à coalizão criada por Riad em 2015.

Desde então, o conflito deixou 8.400 mortos e 48.000 feridos, provocando uma grave crise humanitária, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP