Navigation

Ex-presidente panamenho Martinelli absolvido de espionagem e peculato

O ex-presidente do Panamá Ricardo Martinelli levanta as mãos diante do tribunal que o absolveu dos crimes de espionagem e peculato. afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 10. agosto 2019 - 00:40
(AFP)

O ex-presidente Ricardo Martinelli foi absolvido nesta sexta-feira das acusações de espionagem política e peculato, informou um tribunal do Panamá.

"Declaramos o senhor Ricardo Martinelli Berrocal inocente", pelo qual se "suspendem as medidas cautelares que pesam contra ele", anunciou Raúl Vergara, um dos três juízes do Tribunal.

"Obrigado aos meus advogados, obrigado à justiça panamenha. Isto foi uma conspiração criminosa do (ex-presidente) Juan Carlos Varela", disse Martinelli, que governou o Panamá entre 2009 e 2014 e cumpria prisão domiciliar preventiva.

Martinelli era julgado desde 12 de março por supostamente "grampear", entre 2012 e 2014, as comunicações de 150 opositores ao seu governo.

Pelos crimes de interceptação de telecomunicações sem autorização judicial e vigilância ilegal a promotoria pedia 21 anos de prisão.

Os promotores também solicitavam dez anos de prisão por peculado de apropriação (do material dos grampos), e outros três por peculado pela utilização de funcionários e recursos do Estado para finalidades privadas.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.