Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Ex-presidente peruano Humala diz estar preso por vingança

(Arquivo) Foto mostra o ex-presidente do Peru Ollanta Humala durante coletiva de imprensa em Lima, capital do país, em 22 de maio de 2017

(afp_tickers)

O ex-presidente peruano Ollanta Humala afirmou em uma coluna publicada nesta quarta-feira (14) que ele e sua esposa, ambos suspeitos de corrupção, estão em prisão preventiva há oito meses por "vingança".

"Depois de 30 anos, sou o primeiro presidente que ao fim de seu mandato continuou morando no Peru junto com toda a sua família. Entretanto, nesta vingança e ódio não se meteram apenas comigo, mas que na prática envolveram minha família", escreveu Humala no jornal El Comercio.

"Isso não é justo, é uma vergonha", disse Humala (2011-2016), que é investigado por uma contribuição da Odebrecht à sua campanha.

O ex-presidente afirmou que ele e sua mulher, Nadine Heredia, não estão sendo investigados por corrupção nem por entrega de subornos, porque nenhuma obra pública de seu governo está ligada a Odebrecht.

"Somos os únicos que cumprimos uma prisão preventiva abusiva e arbitrária. Hoje cumprimos oito meses exatos na prisão sem que nada faça merecer uma acusação contra nós", disse.

Segundo Humala, a procuradoria tem buscado informação sobre o casal no exterior e "não encontrou nada".

Jorge Barata, ex-representante da Odebrecht no Peru declarou em fevereiro a procuradores peruanos em São Paulo que havia entregue cerca de três milhões de dólares a Humala para a campanha que o levou ao poder em 2011. Basicamente reiterou algo que havia declarado em dezembro de 2016.

A Odebrecht havia admitido anteriormente que desembolsou subornos que totalizam 29 milhões de dólares no Peru entre 2005 e 2014, ao longo dos governos de Alejandro Toledo, Alan García e Ollanta Humala.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.