Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Simpatizante de Park Geun-hye diante de policiais durante manifestação no início de abril

(afp_tickers)

A ex-presidente da Coreia do Sul Park Geun-hye não vai recorrer contra sua condenação a 24 anos de prisão pelo escândalo de corrupção que provocou sua destituição em 2017, informou nesta segunda-feira a agência sul-coreana Yonhap.

Um novo julgamento vai acontecer, no entanto, porque a Promotoria sul-coreana, que solicitou pena de 30 anos de prisão, apelou contra a condenação de primeira instância anunciada em 6 de abril.

Park, 66 anos, foi condenada por corrupção e abuso de poder. Ela boicotou o julgamento e acusou o tribunal de parcialidade.

Nesta segunda-feira, retirou o recurso de apelação que havia sido apresentado por sua irmã, informou a Yonhap, que citou fontes judiciais.

Park, primeira mulher presidente da Coreia do Sul, foi destituída e detida em março de 2017 por uma série de acusações que revelaram as relações entre o Executivo e os grandes conglomerados empresariais dirigidos por famílias tradicionais.

A queda da presidente conservadora, após grandes manifestações em todo o país, permitiu a alternância e a eleição de Moon jae-in (centro-esquerda), o que ajudou na grande aproximação entre as duas Coreias.

O caso permitiu revelar a influência sobre a presidente de sua confidente, Choi Soon-sil, uma de Park Geun-hye há 40 anos.

As duas foram acusadas de solicitar subornos às grandes empresas sul-coreanas em troca de favores políticos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP