Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Imagem da cerca e torre de observação do abandonado "Camp X-Ray" da prisão de Guantánamo, registrada em 9 de abril de 2014

(afp_tickers)

Um dos ex-detentos da prisão americana de Guantánamo, que chegaram no Uruguai em 2014, cruzou a fronteira até o Brasil sem os controles de migração, reportou nesta quinta-feira o jornal El Observador, citando fontes oficiais.

Segundo o jornal em sua página na internet, o homem viajou para o Brasil. "Não se sabe com que documentação saiu do país" já que "não passou por nenhum registro", disse ao jornal o ministro do Interior (Segurança), Eduardo Bonomi.

A informação tinha sido gravado por um programa de TV local na noite de quarta-feira e o ministro deu a confirmação oficial.

Jihad Ahmad Diyab, de origem síria, chegou com outros cinco ex-detentos mediante um acordo entre os Estados Unidos e Uruguai. Têm status de refugiados no país sul-americano.

Bonomi recordou ao jornal que em função desse status, o cidadão sírio pode sair do país quando quiser, mas, sustentou, que o Brasil pode "não recebê-lo legalmente" e enviá-lo de volta para o Uruguai. "É um problema do Brasil", disse ao El Observador.

Diyab nunca se mostrou cômodo com sua situação no Uruguai, onde buscou trazer sua família.

Ele fez diversos atos de protesto em frente à Embaixada dos Estados Unidos em Montevidéu e foi o único dos seis ex-detentos na prisão americana que não assinou o convênio com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) para residir no Uruguai.

AFP