Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Luisa Ortega desembarca no aeroporto de Brasília

(afp_tickers)

A procuradora-geral venezuelana destituída Luisa Ortega denunciou nesta quarta-feira (23), em Brasília, "a morte do Direito" sob o governo de Nicolás Maduro, e advertiu que a crise política coloca em risco o equilíbrio de toda região.

"O que acontece na Venezuela é a morte do Direito. A estabilidade da região está em perigo", declarou Ortega a seus colegas reunidos em uma cúpula de chefes de Ministérios Públicos do Mercosul.

Luisa garantiu ter "muitas provas" sobre os vínculos do presidente Maduro e de funcionários de alto escalão de seu governo com o caso Odebrecht.

A ex-procurador disse ter sido perseguida "no afã de esconder tantos atos de corrupção, dos quais tenho muitas provas - e, concretamente, no caso da Odebrecht -, que comprometem muitos altos funcionários venezuelanos, começando pelo presidente da República, (e) os membros da Assembleia Constituinte, Diosdado Cabello, Jorge Rodríguez".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP