Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Luisa Ortega desembarca no aeroporto de Brasília

(afp_tickers)

A procuradora-geral venezuelana destituída Luisa Ortega denunciou nesta quarta-feira (23), em Brasília, "a morte do Direito" sob o governo de Nicolás Maduro, e advertiu que a crise política coloca em risco o equilíbrio de toda região.

"O que acontece na Venezuela é a morte do Direito. A estabilidade da região está em perigo", declarou Ortega a seus colegas reunidos em uma cúpula de chefes de Ministérios Públicos do Mercosul.

Luisa garantiu ter "muitas provas" sobre os vínculos do presidente Maduro e de funcionários de alto escalão de seu governo com o caso Odebrecht.

A ex-procurador disse ter sido perseguida "no afã de esconder tantos atos de corrupção, dos quais tenho muitas provas - e, concretamente, no caso da Odebrecht -, que comprometem muitos altos funcionários venezuelanos, começando pelo presidente da República, (e) os membros da Assembleia Constituinte, Diosdado Cabello, Jorge Rodríguez".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP