Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Logo da Odebrecht na Vila Olímpica do Rio de Janeiro, 23 de junho de 2016

(afp_tickers)

O ex-vice-ministro dos Transportes Gabriel García Morales, que ocupou o cargo durante o governo de Álvaro Uribe, aceitou neste domingo (15) as acusações de corrupção apresentadas pelo Ministério Público da Colômbia, no caso que envolve a empreiteira Odebrecht.

"García, ex-vice-ministro dos Transportes, aceitou as acusações que o Ministério Público lhe imputou pelos fatos que o vinculam com as irregularidades na concessão dos contratos do Trecho Dois da Rota do Sol", afirma a nota divulgada pelo MP.

Detido na última quinta-feira (12), García Morales deverá responder "pelos crimes de propina indevida, interesse indevido na celebração de contratos e enriquecimento ilícito", completa o comunicado.

De acordo com as investigações, García teria recebido US$ 6,5 milhões por favorecer a concessão de contrato à Odebrecht.

O ex-vice-ministro se encarregou de excluir concorrentes para que o desaparecido Instituto Nacional de Concessões (INCO), sob sua responsabilidade na época, desse a concessão à Odebrecht - o que, efetivamente, veio a acontecer.

Ontem, as autoridades prenderam o ex-senador Otto Nicolás Bula, do governista Partido Liberal, investigado por suspeita de "violação do regime de trocas internacionais".

O Ministério Público acrescentou que "a sucursal da Odebrecht na Colômbia contratou, em cinco de agosto de 2013, Otto Nicolás Bula, mediante a modalidade de 'honorários por resultado, ou cota de êxito' com o objetivo de obter o contrato da via Ocaña - Gamarra, a favor da concessionária Ruta del Sol S.A.S".

O MP indicou que a Odebrecht pagou US$ 11,1 milhões em subornos na Colômbia por contratos públicos.

No processo, a empresa brasileira solicitou um princípio de oportunidade ao MP, mostrando-se disposta a indenizar o Estado colombiano.

Em dezembro passado, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos divulgou documentos sobre supostos subornos multimilionários da Odebrecht em nove países latino-americanos, entre eles a Colômbia, para obter contratos.

Além da Rota do Sol setor 2, houve outros dois projetos executados pela Odebrecht na Colômbia, ambos durante o mandato do presidente Juan Manuel Santos: a via Puerto Boyacá - Chiquinquirá (centro), concedida em abril de 2012, a qual o governo diz ter sido concluída "satisfatoriamente"; e outro para dar navegabilidade ao rio Magdalena, o afluente mais importante do país, licitada em agosto de 2014.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP