Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O Salão da Eletrônica IFA de Berlim vai se concentrar este ano no aperfeiçoamento dos dispositivos, e não tanto na apresentação de novos produtos

(afp_tickers)

O Salão da Eletrônica IFA de Berlim, que abre suas portas na sexta-feira, vai se concentrar este ano no aperfeiçoamento dos dispositivos, e não tanto na apresentação de novos produtos.

"A inteligência artificial será um dos grandes temas, com produtos na mesma linha dos lançados pela Amazon e pelo Google, equipados, assim, com assistentes pessoais inteligentes - não só em casa, mas também nos telefones e relógios inteligentes", afirma Klaus Böhm, da consultora Deloitte.

Quanto aos televisores, os pixeis transmitem ainda mais sinais para melhorar a resolução das telas. Os eletrodomésticos integram comandos de voz que lhes permitem falar com toda a família. Os smartphones recolhem cada vez mais dados e se tornam capazes de antecipar por conta própria as necessidades do usuário.

O espaço central do salão, sua vitrine principal apresentada na quarta-feira à imprensa, se parece mais com uma biblioteca universitária do que com uma grande superfície eletrônica: este ano, pesquisadores e desenvolvedores se misturam com as 'start-ups'.

Um dos expositores mais fiéis do IFA, o fabricante de telefones chinês Huawei, apresentará seu primeiro programa de assistente pessoal, "Kirin", o futuro concorrente da Alexa (Amazon), Bixby (Samsung) e Siri (Apple).

A Microsoft poderia ter algo a apresentar neste terreno, com os resultados das suas colaborações recém-anunciadas com a Intel, HP e Harmon Kardon.

- 'A televisão não está morta!' -

Os televisores conectados (smart TV), com conteúdos de vídeo a la carte, permitirão este ano que as telinhas recuperem seus direitos diante dos tablets e computadores portáteis.

"A televisão não está morta! As pessoas compram cada vez mais telas grandes, o tamanho da imagem aumenta, torna-se necessário se equipar com uma alta resolução", considera Roland Stehle, da federação alemã GFU, co-organizadora da IFA.

Os organizadores da IFA preveem um bom ano para os fabricantes de televisores, pois as tecnologias OLED e Ultra-Alta Definição (UHD/4k) se tornam financeiramente acessíveis e muito mais tentadoras.

Em 2017, o mercado mundial da eletrônica (telefones incluídos) alcançou um montante de 887 bilhões de euros, 4% a mais que no ano anterior, segundo a GFU.

Dedicado mais ao grande público que seu concorrente de Las Vegas, o Consumer Electronic Show, que aconteceu em janeiro, o IFA costuma orientar as compras de Natal, tanto em eletrônica como em eletrodomésticos.

Espera-se que entre 1 e 6 de setembro compareçam cerca de 240.000 visitantes, um quarto deles estrangeiros, indicaram os organizadores.

Muitos grupos internacionais aproveitarão a oportunidade para revelar suas últimas novidades à imprensa na quarta-feira e na quinta-feira.

A Apple está tradicionalmente ausente do IFA, e a Samsung já revelou em 23 de agosto seu novo smartphone de gama alta, o Galaxy Note 8, que deveria deixar para trás o fiasco do Galaxy 7 e suas baterias explosivas.

No entanto, a coreana deveria lançar em Berlim sua última pulseira inteligente, Gear Fit 2, e seu relógio inteligente Samsung Gear S4.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP