Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Mulher observa a cratera no local onde ficava a sua casa, em Jabalia, Faixa de Gaza

(afp_tickers)

Um cinegrafista italiano que trabalhava para a agência de notícias AP morreu, ao lado de quatro pessoas, nesta quarta-feira, em Gaza, durante uma tentativa de desativar um míssil israelense.

Médicos e fontes oficiais de Gaza indicaram que cinco pessoas, incluindo um jornalista estrangeiro, morreram ao norte da Faixa de Gaza quando especialistas palestinos tentavam desativar um míssil israelense.

O porta-voz dos serviços de emergência palestinos, Ashraf al-Qudra, afirmou que seis pessoas ficaram gravemente feridas.

A Associated Press confirmou a morte de um de seus jornalistas Simone Camilli, de 35 anos, que trabalhava para a agência americana desde 2005.

Um fotógrafo da AP, Hatem Moussa, ficou gravemente ferido na explosão.

Camilli, o primeiro jornalista morto desde o início da ofensiva israelense em Gaza, em 8 de julho, filmava a operação de desativação do míssil.

O governo da Itália também confirmou a morte de Camilli.

"A morte de Simone Camilli é uma tragédia para sua família e para o país. Mais uma vez, um repórter paga o preço de uma guerra que já dura muitos anos", destacou a ministra italiana das Relações Exteriores, Federica Mogherini, em um comunicado.

Segundo a imprensa italiana, Simone Camilli, de 35 anos, filmou há três anos um documentário sobre a Faixa de Gaza e trabalhava para vários meios de comunicação internacionais, incluindo a AP.

Camilli trabalhou em coberturas no Oriente Médio, Turquia e Bálcãs. Também fez reportagens sobre o naufrágio do cruzeiro "Costa Concordia" na Itália.

A explosão aconteceu poucas horas antes do fim de uma trégua de 72 horas.

Israel e Hamas mantêm negociações indiretas no Cairo, com a meta de alcançar um acordo que acabe em definitivo com a ofensiva israelense, que tem como meta impedir os lançamentos de foguetes a partir da Faixa de Gaza.

burs-hmw/fp

AFP