Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Prédios destruídos após a explosão de um depósito de armas em uma zona residencial de Sarmada, na província síria de Idlib, em 12 de agosto de 2018

(afp_tickers)

Pelo menos 39 civis, incluindo 12 crianças, morreram neste domingo (12) na explosão de um depósito de armas em uma zona residencial da província síria de Idlib (noroeste) - informa o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

"O balanço subiu depois da descoberta de novas vítimas sob os escombros", relatou a ONG.

Ainda não se sabe o que causou a deflagração, que também fez dois prédios desabarem.

Os Capacetes Brancos - socorristas que atuam nas zonas rebeldes - se dirigiram para a área da explosão, na localidade de Sarmada. Com a ajuda de uma escavadeira, eles tentam retirar os escombros, em busca de possíveis sobreviventes.

A fachada de um prédio ficou totalmente escurecida pelo fogo que se espalhou após a detonação, ocorrida de madrugada.

Segundo o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahman, o paiol ficavam em um conjunto residencial de Sarmada e pertencia a um traficante de armas que trabalhava para Hayat Tahrir Al-Sham (HTS), um grupo extremista formado pelo ex-braço sírio da Al-Qaeda, que controla a maior parte da província.

A maioria dos civis mortos pertence a famílias de combatentes do HTS, afirmou Abdel Rahman, acrescentando que o balanço pode se agravar, diante das "dezenas de pessoas que continuam desaparecidas".

As equipes de emergência já conseguiram resgatar cinco sobreviventes, disse à AFP um membro dos Capacetes Brancos. Entre os mortos, há mulheres e crianças, completou a mesma fonte.

A província de Idlib é uma das últimas da Síria que não estão sob controle do governo Bashar al-Assad. O presidente sírio já anunciou que reconquistar este setor é um de seus objetivos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP