Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Quanto maior o nível de chumbo no sangue na infância, mais significativa é a redução do quociente de inteligência, afetando o desempenho profissional na idade adulta

(afp_tickers)

Quanto maior o nível de chumbo no sangue na infância, mais significativa é a redução do quociente de inteligência, afetando o desempenho profissional na idade adulta, segundo um estudo que corrobora os efeitos nocivos desta neurotoxina.

As crianças expostas, na década de 1970, a vapores de gasolina com níveis altos de chumbo sofreram uma diminuição significativa do seu quociente de inteligência (QI), segundo o estudo publicado nesta terça-feira na revista Journal of the American Medical Association (JAMA).

O estudo foi realizado com 565 crianças nascidas na Nova Zelândia em 1972 e 1973, uma época na qual o combustível ainda continha chumbo. Este país tinha então uma das gasolinas com maior quantidade de chumbo do mundo.

Os participantes da pesquisa foram monitorados regularmente desde o nascimento até os 38 anos de idade.

Os cientistas, da Universidade Duke na Carolina do Norte, fizeram exames de sangue nas crianças aos 11 anos para medir os níveis de chumbo, e avaliaram suas capacidades cognitivas, como o raciocínio e a memória, ao longo dos anos.

Os que tinham mais de 10 microgramas do metal por decilitro de sangue aos 38 anos tinham, em média, um QI 4,25 pontos menor que os participantes que estiveram menos expostos a esta neurotoxina durante a infância.

As crianças afetadas também registraram, quando adultos, uma diminuição do seu QI em relação ao que tinham na infância.

Segundo o estudo, para cada 5 microgramas de chumbo no sangue, uma pessoa perde cerca de 1,5 pontos de QI.

As crianças no estudo tinham um conteúdo médio de chumbo de 10,99 microgramas/decilitro de sangue aos 11 anos, um nível maior que o considerado preocupante.

Atualmente, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos situam o limite de alarme em 5 microgramas/decilitro, um nível que 94% das crianças do estudo ultrapassavam.

As autoridades de saúde americanas apontam também que nenhuma quantidade de chumbo no sangue, por menor que seja, é inofensiva para as crianças.

A gasolina com chumbo foi retirada gradualmente do mercado nos Estados Unidos e na Nova Zelândia entre as décadas de 1970 e 1990, mas ainda é utilizada em alguns países da Ásia e do Oriente Médio.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP