Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O grupo EI reagiu rapidamente por meio de sua agência de propaganda Amaq e acusou a aviação americana de ter destruído os dois monumentos em um bombardeio

(afp_tickers)

Os extremistas do grupo Estado Islâmico (EI) destruíram nesta quarta-feira o emblemático minarete inclinado da cidade velha de Mossul e a mesquita adjacente, onde seu líder, Abu Bakr Al Baghdadi, proclamou seu "califado", anunciou o comandante do exército iraquiano, responsável pela ofensiva em Mossul.

O grupo EI reagiu rapidamente por meio de sua agência de propaganda Amaq e acusou a aviação americana de ter destruído os dois monumentos em um bombardeio.

"Nossas forças estavam avançando [...] na cidade velha quando, após terem chegado a 50 metros da mesquita Al Nuri, o Daesh [acrônimo em árabe do EI] cometeu um novo crime histórico, ao fazer explodir a mesquita de Al Nuri e a 'hadba'", o minarete inclinado adjacente, declarou o general Abdulamir Yarallah em um comunicado.

A destruição destes monumentos, dois dos mais célebres da segunda cidade do Iraque, ocorreu no quarto dia da ofensiva comandada pelo exército iraquiano contra o EI com o apoio da coalizão militar liderada pelos Estados Unidos nos últimos quilômetros quadrados da cidade velha, onde os extremistas estão entrincheirados.

Esta se soma, ainda, à longa lista de monumentos históricos iraquianos, destruídos pelo EI no Iraque e na Síria desde que Abu Bakr Al Baghdadi proclamou seu "califado" nas zonas controladas por seu grupo nos dois países, há três anos.

AFP