Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Peritos exumam corpos de uma fossa, em Tetelcingo, Morelos, no dia 25 de maio de 2016

(afp_tickers)

Nove dos 116 corpos encontrados em uma fossa cavada irregularmente pelas autoridades do estado de Morelos, no centro do México, já foram exumados, despertando esperanças entre os familiares de milhares de desaparecidos no país, informou um perito que participa dos trabalhos.

Abimelec Morales, coordenador dos peritos da Comissão Científica da Universidade Autônoma do Estado de Morelos (UAEM), revelou que dos nove corpos exumados, apenas sete "têm elementos que podem ajudar em sua identificação".

O Ministério Público reconheceu que 116 cadáveres foram enterrados nessas covas, em 28 de março de 2014, localizadas em um cemitério do povoado de Tetelcingo, no município de Cuautla, vizinho à Cidade do México.

De fato, as autoridades contam com processos de investigação de apenas 88 dos corpos colocados na fossa.

A exumação é acompanhada por familiares de desaparecidos de distintos pontos do país, onde há mais de 20 mil pessoas cujo paradeiro se desconhece, em meio à violência ligada ao tráfico de drogas.

A promotoria de Morelos, um dos estados com mais altos índices de sequestros no México, informou que a exumação vai durar uma semana.

Os corpos serão levados a outro cemitério de Tetelcingo, onde o governo construiu 25 túmulos de cimento com dez gavetas cada, para receber 250 corpos plenamente registrados que ficarão a disposição dos familiares.

AFP