Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Carro totalmente elétrico da montadora Tesla é visto em 14 de janeiro de 2014, em Detroit

(afp_tickers)

A fabricante americana de carros elétricos Tesla, que chegou recentemente à China, acusou um empresário chinês de ter "roubado" o nome de sua marca e rejeitou a queixa apresentada por ele por "violação de propriedade intelectual".

Zhan Baosheng, que se apresenta como o fundador de um site de cosméticos com sede em Cantão (sul), tinha patenteado em 2009 o nome "Tesla" junto às autoridades chinesas, segundo o jornal financeiro Diyi Caijing.

Ao considerar que somente ele possui os direitos de utilização da marca, Zhan denunciou a construtora americana de mesmo nome em um tribunal de Pequim, e exigiu que o grupo fechasse seus espaços de exposição e seus postos de recarga, encerrando suas vendas e atividades comerciais.

O empresário pediu, ainda, à Tesla uma "indenização" de 23,9 milhões de iuanes (2,8 milhões de euros), segundo o jornal.

A fabricante americana, que tinha feito campanha na China para promover seu veículo Model-S com bateria elétrica, rejeitou a denúncia e indicou que acaba de apresentar duas ações contra o empresário.

"Ninguém pode legitimamente questionar o fato de que a Tesa foi criada e tenha utilizado essas marcas muito antes de a Zhan tentar roubar nosso nome na China", informou o grupo americano em um comunicado.

AFP