Navigation

Facebook e Twitter põem advertência em vídeo alterado retuitado por Trump

O Twitter identificou como conteúdo enganoso pela primeira vez um vídeo retuitado por Donald Trump no qual Joe Biden parece apoiar a reeleição do magnata republicano afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 09. março 2020 - 16:25
(AFP)

Facebook e Twitter acrescentaram hashtags para advertir sobre conteúdo falso ou alterado em um vídeo retuitado pelo presidente americano, Donald Trump, sobre seu adversário democrata, Joe Biden.

O vídeo editado, que parecia mostrar Biden apoiando o presidente, foi marcado como "parcialmente falso" pelo Facebook e como "conteúdo manipulado" pelo Twitter.

As medidas parecem abrir novos caminhos para as plataformas de redes sociais ao abordar a delicada questão da desinformação política.

O Facebook, que assumiu uma política de não intervenção no conteúdo dos políticos, disse que este caso merecia uma verificação porque tinha sido publicado antes de o presidente compartilhá-lo.

"Os verificadores qualificaram o vídeo como parcialmente falso, pelo que estamos reduzindo sua distribuição e estamos mostrando hashtags de advertência com mais contexto para as pessoas que o veem, tentam compartilhá-lo ou já o fizeram", disse um porta-voz do Facebook à AFP.

"Como anunciamos no ano passado, o mesmo se aplica se um político compartilha o vídeo ou se é verificado de outra maneira quando outros compartilharam no Facebook".

O Twitter utilizou uma nova política para identificar conteúdo enganoso pela primeira vez.

A plataforma de mensagens, muito usada por Trump, tinha anunciado que começaria a aplicar uma política contra o conteúdo manipulado, inclusive dos políticos, a partir de 5 de março.

O Twitter foi criticado no passado por não eliminar conteúdo enganoso e abusivo, mas também se enfrentou a acusações de que suas restrições suprimiu algumas opiniões políticas.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.