AFP

Logo do Facebook

(afp_tickers)

A Tailândia conseguiu fazer com que o Facebook retirasse do ar mais de 200 páginas da rede social consideradas difamatórias para a família real, de um total de 300 identificadas pelas autoridades que ameaçaram bloquear o acesso no país à plataforma.

A lei que vela sobre as calúnias contra realeza, conhecida como "Artigo 112", prevê entre 3 e 15 anos de prisão a quem difamar o rei, rainha, herdeiro ou regente.

Desde que os militares chegaram ao poder após um golpe de Estado em maio de 2014, as acusações por crime de lesa-majestade multiplicaram e as sanções são cada vez mais severas. Uma centena de pessoas estão atrás das grades pelo crime, de acordo com a Federação Internacional para os Direitos Humanos (FIDH).

"O Facebook está trabalhando com a Tailândia", declarou nesta terça-feira Takorn Tantasith, secretário-geral da autoridade reguladora tailandesa para telecomunicações NBTC.

"Pedimos a retirada de 131 páginas" litigiosas, afirmou, acrescentando que os tribunais tailandeses preparam investigações oficiais para exigir a retirada.

Desde maio, seis pessoas foram presas por compartilhar conteúdo considerado difamatório pela monarquia, incluindo um advogado tailandês especialista em direitos humanos, que pode ser condenado a 150 anos de prisão.

Nos últimos anos, a maioria das acusações de lesa-majestade foram por mensagens postadas no Facebook. Após a morte do rei Bhumibol Adulyadej, em outubro de 2016, a junta militar apelou ao povo para "punir" aqueles que criticam a monarquia.

Procurada pela AFP, o Facebook se recusou a especificar o número de páginas que foram removidas. O grupo recordou que "quando governos estimam que algum conteúdo de internet viola a lei podem pedir sua remoção".

Somsak Jeamteerasakul, um dissidente no exílio, anunciou recentemente em sua página no Facebook que algumas das suas mensagens estavam entre as páginas censuradas, especialmente imagens do novo rei, Maha Vajiralongkorn, tomadas durante suas viagens para a Alemanha, onde vive parte do ano.

AFP

 AFP