Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

As notícias falsas se converteram em um tema dominante durante a campanha presidencial nos Estados Unidos no ano passado, com histórias claramente fraudulentas circulando pelas redes sociais com poder para influenciar os eleitores

(afp_tickers)

O Facebook revelou nesta segunda-feira que as páginas na Internet que, com frequência, dirigem a seus visitantes "notícias falsas" já não poderão ter anúncios na rede social.

"Se as páginas compartilham histórias marcadas como falsas, estes infratores reincidentes não poderão anunciar no Facebook", informaram Tessa Lyons e Satwik Shukla, gerentes de produto da companhia.

Esta decisão é o último golpe do Facebook em sua guerra contra "fake news" (notícias falsas), usadas para enganar em vez de informar.

"Esta atualização ajudará a reduzir a divulgação de notícias falsas", destaca o Facebook, que já havia proibido publicidade que leva a sites considerados falsos por analistas independentes.

As notícias falsas se converteram em um tema dominante durante a campanha presidencial nos Estados Unidos no ano passado, com histórias claramente fraudulentas circulando pelas redes sociais com poder para influenciar os eleitores.

O Google também adotou medidas para reduzir o impacto de histórias criadas para enganar, incluindo o lançamento de uma ferramenta para comprovar fatos descritos em notícias.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP