Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Palestinos participam de exibição de "10 Anos" no Samer Cinema em Gaza, no dia 26 de agosto de 2017

(afp_tickers)

Centenas de habitantes da Faixa de Gaza poderão ir ao cinema neste sábado, pela primeira vez em mais de 30 anos, mas só poderão fazê-lo por uma noite.

O cinema Samer de Gaza, o mais antigo da Faixa, voltará a abrir suas portas depois de décadas fechado, para uma projeção especial de um filme sobre os palestinos que se encontram nas prisões israelenses.

Governadoo pelo movimento islamita Hamas há de anos, o encrave palestino onde vivem dois milhões de pessoas, só possui esse cinema.

Ghada Salmi, uma das organizadoras do evento, disse à AFP que a projeção deste sábado simboliza os esforços "para voltar a atrair a ideia do cinema em Gaza".

O Gaza Samer foi construído em 1944, mas fechou suas portas nos anos 70. Os demais cinemas fecharam nos anos 80, durante a primeira intifada palestina.

Houve um incêndio em um cinema em 1987, que muitos atribuíram aos islamitas que consideram a sétima arte algo ímpio.

Ironicamente, segundo a história de Gaza escrita pelo francês Jean-Pierre Filiu em 2012, a facção local da Irmandade Muçulmana, da qual saiu o Hamas, deu sua primeira conferência no Samer, no Ano Novo muçulmano, em 1946.

O filme deste sábado, "10 Anos", conta a história dos prisineiros palestinos nos presídios israelenses.

Salmi assegura que não se centra na política e sim nas histórias humanas. Sua exibição foi autorizada pelo Hamas.

A Faixa de Gaza ainda tenta se recuperar de sua última guerra contra Israel, em 2014, na qual morreram mais de 2.000 palestinos e grande parte do território foi destruído.

Gaza também sofre um bloqueio por parte de Israel e sua fronteira como Egito é quase sempre fechada por decisão do governo do Cairo.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP