Navigation

Família australiana é atingida pelas duas tragédias da Malaysia Airlines

Pertences de passageiros se espalham no local da queda do avião da Malaysia Airlines afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 18. julho 2014 - 12:22
(AFP)

Uma família australiana foi atingida pelas duas tragédias que envolveram a Malaysia Airlines este ano, dando adeus a dois de seus membros na queda do MH17, quatro meses depois de se despedir de um casal no desaparecimento do voo MH370.

Maree e Albert Rizk, que retornavam a Melbourne depois de passar um mês de férias na Europa, morreram na quinta-feira na queda do MH17 no leste da Ucrânia, informou a imprensa australiana.

O pai de Maree é casado com a integrante de uma família de Queensland que deu adeus ao casal Rodney e Mary Burrows na tragédia do MH370, que desapareceu quando viajava de Kuala Lumpur a Pequim no dia 8 de março, informou o irmão de Rodney, Greg Burrows, à AFP.

Burrows disse não querer fazer uma declaração em nome da família Rizk, mas afirmou: "Não temos ressentimentos em relação à Malaysia Airlines".

"Ninguém poderia prever este (acidente) e nada está provado sobre o primeiro", disse, acrescentando que "ainda estamos esperando por respostas em relação ao primeiro acidente".

O voo MH17 da companhia aérea malaia transportava 298 pessoas, incluindo 28 australianos, quando caiu na quinta-feira no leste da Ucrânia, uma área controlada por rebeldes separatistas pró-russos.

Segundo autoridades americanas, a aeronave aparentemente foi derrubada por um míssil terra-ar.

Rodney e Mary Burrows voltavam de férias com amigos quando embarcaram no MH370 em março.

"Eles eram ótimas pessoas e nós os amávamos intensamente. Esperamos que tenha sido rápido para eles", declarou um vizinho, que não quis se identificar, na época do acidente.

Até o momento não há sinais do MH370. As autoridades acreditam que o avião caiu no Oceano Índico.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.