Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O general Raúl Baduel, ex-ministro de Defesa venezuelano durante o governo de Hugo Chávez, durante coletiva de imprensa, em Caracas

(afp_tickers)

O general Raúl Baduel, ex-ministro da Defesa durante o governo de Hugo Chávez, cujo paradeiro era desconhecido há três semanas, está detido na sede do serviço de Inteligência (Sebin) em Caracas, informou sua família.

Baduel encontrou na quinta-feira seus filhos, Andreína e Adolfo, que foram contatados por telefone pelo procurador-geral Tarek William Saab.

"Eles o mantém no Sebin da Praça Venezuela, conhecido como 'La Tumba'. Está física e espiritualmente fortalecido, apesar das condições do local de reclusão", informou sua filha à imprensa.

Segundo a jovem, o oficial da reserva, considerado um dos principais "presos políticos" do país, "está com a mesma roupa de quando foi transferido", em 8 de agosto, da prisão militar de Ramo Verde, nos arredores de Caracas.

A esposa do ex-ministro, Cruz María de Baduel, denunciou nesta sexta-feira o procurador-geral por ter supostamente ocultado o paradeiro de seu marido.

A família havia denunciado o caso como um "desaparecimento forçado".

A filha indicou que o Sebin proibiu a entrega de objetos de uso pessoal e medicamentos que Baduel, de 62 anos, usa para controlar a pressão arterial.

A oposição afirma que há 590 "presos políticos" na Venezuela.

Quando ministro de Chávez (1999-2013), Baduel ajudou a restituir o presidente após o golpe de Estado de abril de 2002 que o tirou brevemente do poder, mas logo se tornou seu adversário.

O ex-militar deveria ter sido libertado em março, após cumprir sete anos e 11 meses de prisão por corrupção. Mas o Ministério Público apresentou novas acusações por suposta conspiração para derrubar o presidente Nicolás Maduro.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP