Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Os parentes dos 43 estudantes mexicanos desaparecidos seguem em luta com novos protestos para exigir que não seja encerrada a investigação, em Acapulco, no dia 24 de março de 2015

(afp_tickers)

Neste domingo completam-se sete meses do desaparecimento dos 43 estudantes mexicanos de Ayotzinapa. Apesar do esvaziamento dos protestos nas ruas, os familiares dos jovens desaparecidos lutam para conseguir manter a pressão sobre o governo para que eles sejam encontrados.

Neste dia 26 de abril, os familiares, que já levaram seus protestos aos Estados Unidos e à Europa, preferiram convocar na capital mexicana um ato artístico e cultural chamado "Vozes por Ayotzinapa". O evento contará com breves pronunciamentos de defensores de direitos humanos e intervenções de música, dança e poesia.

O brutal ataque de policiais corruptos de Iguala (Guerrero, sul) contra os jovens na noite de 26 de setembro gerou uma onda de protestos no México, sem precedentes em comparação a outras atrocidades cometidas no contexto da chamada "guerra contra o narcotráfico".

Os familiares lideraram contundentes protestos em Guerrero e todo dia 26 se deslocaram para a capital, onde milhares de pessoas já ocuparam as ruas para exigir do governo de Enrique Peña Nieto a procura dos jovens e a punição de todos os culpados.

Com o passar dos meses, contudo, o desespero dos pais e sua desconfiança em relação ao governo cresceram, enquanto o crime perdeu espaço na imprensa e o número de pessoas nos protestos diminuiu.

"É natural que um movimento com essa intensidade vá esgotando-se, enfraquecendo-se com o passar do tempo. Teve seu momento auge, e as pessoas começam a cansar, a ter outras coisas, outros temas relacionados à violência", explica à AFP o analista político José Antonio Crespo, do Centro de Pesquisa e Docência Econômicas (CIDE).

Os familiares dos jovens desaparecidos continuam sem acreditar na investigação oficial do Ministério Público, que concluiu que os jovens foram entregues pela polícia de Iguala a narcotraficantes que os incendiaram, jogando as cinzas das vítimas no rio.

Os pais acusam o governo, com quem romperam o diálogo, de querer deixar o caso de lado e tentar que ele caia no esquecimento.

AFP