Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Juan Manuel Santos, presidente colombiano, em 22 de maio de 2015 em Bogotá

(afp_tickers)

A guerrilha comunista das Farc retomou as ações armadas, com ataques à infraestrutura colombiana, após o fim do cessar-fogo uniltateral, há uma semana, indica um relatório do Centro de Recursos para a Análise do Conflito (Cerac).

"As Farc retomaram a violência, mediante o uso de explosivos contra a infraestrutura, como previsto: foram registradas seis explosões intencionais, três perseguições, uma emboscada contra a Força Pública, uma instalação de carro-bomba e uma ameaça", assinalou o Cerac.

As Farc anunciaram no último dia 22 o fim do cessar-fogo unilateral, decretado cinco meses atrás como um gesto de boa vontade nas negociações de paz que mantêm desde 2012, em Cuba, com o governo de Juan Manuel Santos.

Na semana que transcorreu desde o fim do cessar-fogo pelas Farc, o centro de estudos registrou 12 ações armadas que contam com evidências que permitem atribuí-las ao grupo rebelde.

Segundo o relatório, "o número de ações violentas realizadas em uma semana pelas Farc corresponde a 57% do total que o grupo guerrilheiro realizou nos cinco meses que durou o cessar-fogo unilateral (21 ações)".

"Foi registrada a morte de um policial. Além disso, seis civis, dois policiais e dois militares ficaram feridos", aponta o documento.

O conflito armado colombiano, que, em cinco décadas, envolveu guerrilhas, paramilitares e agentes federais, deixou, oficialmente, mais de 220 mil mortos, e 6 milhões de pessoas tiveram que abandonar suas casas.

AFP