Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Coluna de guerrilheiros das Farc caminham na zona de padronização de Pondores, La Guajira, 3 de abril de 2017

(afp_tickers)

A ex-guerrilha comunista Farc se chamará a partir de agora Força Alternativa Revolucionária do Comum, o nome do novo partido com o qual disputará o poder depois de pôr fim a meio de século de luta armada na Colômbia.

Os rebeldes, que finalizaram seu desarmamento após um acordo de paz assinado em novembro, decidiram manter a siglas de seu nome de guerra, mas com um novo significado.

"Por decisão majoritária no nosso congresso, é definido como nome do #NuevoPartido: Força Alternativa Revolucionária do Comum (Farc)", escreveu no Twitter o líder da ex-guerrilha, Rodrigo Londoño ("Timochenko").

A nova denominação da antiga guerrilha, que durante 53 anos manteve o nome de Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), foi escolhida durante o congresso realizado desde o domingo em Bogotá.

O novo partido, que será apresentado para a sociedade nesta sexta-feira, começará sua difícil luta política em um país historicamente dominado por conservadores e liberais.

Mil e duzentos delegados, a maioria procedente de distantes zonas rurais e afro da Colômbia, definem no encontro as diretrizes do movimento político e seus candidatos para as eleições gerais de 2018.

"Timochenko" assegurou que a decisão de manter as siglas Farc, com um novo significado, foi apoiada por 628 dos delegados que participam no evento, enquanto 264 optaram pela Nova Colômbia.

- "Surpreendente" -

A definição do nome era um ponto importante do congresso, pois, segundo especialistas, as siglas Farc são vinculadas a centenas de crimes cometidos pela ex-guerrilha em meio século de guerra interna. Sua imagem negativa supera 80%, de acordo com as pesquisas.

"Continuam com a mesma sigla porque querem manter seus bastiões em contextos rurais", disse à AFP o sociólogo Fabián Sanabria.

"É surpreendente que continuem usando a mesma sigla porque sem dúvida as pessoas esperavam outra coisa, pode ser que a princípio isso os restrinja a continuar existindo somente para uma pequena parte da população", advertiu.

Os ex-combatentes no centro político de Bogotá, também apresentaram seu novo logo.

Diferentemente da bandeira colombiana com dois fuzis cruzados e um livro, que usaram por anos, sua nova imagem é uma rosa vermelha, com uma estrela no meio e as letras Farc em verde.

- Nova logo -

"A rosa vermelha pode ser uma transformação, acor vermelha e a rosa vermelha também estão muito associadas ao comunismo, com tornar-se um partido e acreditar em uma revolução", avaliou Sanabria.

A ex-guerrilha pretende lançar seu partido político nesta sexta-feira em um ato político-cultural na Praça de Bolívar, centro político de Bogotá.

Os ex-comandantes disseram que as bandeiras políticas usadas durante a luta armada serão mantidas, mas não mencionaram as palavras socialista, comunista e marxista.

Eles também vão anunciar a direção nacional de seu movimento e os candidatos ao Senado e à Câmara de Representantes, pois o acordo de paz garante 10 assentos no Congresso para as FARC, cinco em cada casa, mesmo que o partido precise participar da campanha eleitoral.

Caso não consigam os mandatos pelo voto popular, serão outorgados os partidos os assentos necessários até cumprir a cota acordada.

As Farc, que foram a principal guerrilha das Américas, assinaram em novembro um acordo de paz com o governo de Juan Manuel Santos, após quatro anos de negociações em Cuba.

A Colômbia vive há mais de meio século um violento conflito armado envolvendo guerrilhas, paramilitares e agentes estatais, deixando 260.000 mortos, 60.000 desaparecidos e 7,1 milhões de deslocados.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP