Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Telas finas como papel de parede da LG, ou que vibram para reproduzir o som melhor que os alto-falantes da Sony: as grandes companhias eletrônicas voltam a apostar este ano em seus televisores na Consumer Electronics Show (CES), em Las Vegas.

(afp_tickers)

Telas finas como papel de parede da LG, ou que vibram para reproduzir o som melhor que os alto-falantes da Sony: as grandes companhias eletrônicas voltam a apostar este ano em seus televisores na Consumer Electronics Show (CES), em Las Vegas.

Durante as coletivas de imprensa realizadas na quarta-feira, na véspera da abertura oficial da exposição, muitas empresas, no entanto, também se posicionaram em outros temas-chave, tais como robôs ou inteligência artificial.

O grupo sul-coreano LG Electronics introduziu uma televisão de tela plana chamada "W", um nome que David VanderWaal, vice-presidente de marketing nos Estados Unidos, explicou por referências aos termos em inglês para papel de parede ou janela ("Wallpaper. Window. Wow.")

O modelo tem uma diagonal de 1,65 metro, nas apenas 2,57 milímetros de espessura. Foi concebido para ser fixado às paredes com fixadores magnéticos de menos de 4 milímetros.

O grupo japonês Sony revelou, por sua vez, sua nova linha de TVs para a qual escolheu a tecnologia de tela orgânica de alta definição OLED, até agora utilizada principalmente pela LG.

Paralelamente, está apostando no fim dos alto-falantes. Em vez disso, utiliza uma tecnologia para gerar som através da vibração da tela. o chefe do grupo, Kazuo Hirai, disse que era o primeiro da indústria.

As vendas globais de televisores estão em queda, com despesas estimadas em 105 milhões este ano, depois de 108 milhões em 2016, à medida que mais e mais telespectadores se voltam para outras telas, como smartphones, tablets ou computadores para assistir vídeos, de acordo com Steve Koenig, analista da associação da indústria CTA que organiza o CSE.

As vendas de telas de alta definição (4K) continuam a subir, e os televisores continuam a ser as estrelas do salão de Las Vegas.

- Internet das coisas -

Sony integrou o software Android TV Google a seus televisores para que possam acessar diretamente à internet.

O grupo chinês TCL, em forte crescimento e que veio ao CES com a missão de expandir o seu mercado, também conta com Google e Android TV entre os seus parceiros. Ele revelou na CES 25 novas TVs conectadas para o mercado americano, onde faz propaganda de suas imagens de alta definição e qualidade de som melhorada.

"Estamos aqui hoje porque estamos investindo no futuro da tecnologia, especialmente nas TVs interligadas", disse Ranjit Gopi, gerente de marketing da TCL.

Segundo ele, o grupo chinês planeja gastar U $ 7,7 bilhões em telas de TV de alta qualidade, e aspira fabricar o televisor de tela curva mais fino do mundo.

A sul-coreana Samsung apresentou por sua vez série de dispositivos, que vão desde eletrodomésticos a seu primeiro laptop projetado especificamente para videogames.

Mas também anunciou melhorias em sua plataforma para TVs conectadas, com uma oferta destinada especialmente aos fãs de esporte e um novo aplicativo de entretenimento.

Entre as funcionalidades dos novos modelos, a capacidade de reconhecer qual membro da casa está no comando de voz para o dispositivo.

"Em 2017, os dispositivos vão se tornar mais inteligentes para vocês todos os dias", prometeu Skott Ahn, diretor de tecnologia da LG.

O grupo anunciou em Las Vegas que todos os novos aparelhos para o lar vão usar informação onine, inteligência artificial e dados para adaptar-se aos hábitos e necessidades dos consumidores.

Uma nova geladeira para o mercado americano dispõe, por exemplo, de uma tela para procurar receitas, monitorar a comida que guarda, mas também recomendar músicas ou usar comandos de voz com o assistente virtual Alexa da Amazon a fim de comprar mantimentos diretamente na distribuidora online.

LG também apresentou uma série de robôs para limpeza, cortar a grama ou ajudar viajantes a fazer check-in para os seus voos e encontrar seu portão de embarque.

AFP