Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Manifestantes protestam em apoio ao policial Darren Wilson, envolvido na morte do jovem negro Michael Brown, Ferguson, 23 de agosto de 2014

(afp_tickers)

Cerca de 100 manifestantes foram às ruas neste sábado, pela primeira vez de forma pública, em defesa do policial branco que há duas semanas matou um jovem negro em Ferguson, subúrbio de St. Louis, no Missouri (centro dos Estados Unidos).

"Presunção de inocência!" - gritavam os manifestantes ao longo de uma via em um bairro sul de St. Louis.

"Eu sou Darren Wilson", disse em uma declaração uma das criadoras, no Facebook, de um grupo de apoio ao policial de 28 anos.

"Não nos esconderemos mais, não viveremos mais no medo", continuou, afirmando que recebeu ameaças de morte depois de denunciar a "parcialidade da imprensa" contra o policial.

O grupo "Apoie Darren Wilson" informou neste sábado que arrecadou mais de US$ 200 mil, por meio de doações e da venda de camisetas com o nome do policial.

Depois de ser varrida por episódios violentos nas últimas semanas, Ferguson teve uma madrugada de sábado relativamente tranquila. Pequenos grupos de cerca de 20 manifestantes se reuniram na avenida onde o incidente aconteceu, mas a polícia não fez novas detenções, nem usou gás lacrimogêneo.

"A ausência de incidentes esta noite mostra que estão acontecendo coisas positivas em Ferguson", declarou em entrevista coletiva Ron Johnson, um capitão negro escolhido para comandar a corporação após a revolta popular deflagrada com a morte de Michael Brown, de 18 anos.

Segundo Johnson, o contingente da Guarda Nacional enviado na segunda-feira para Ferguson foi reduzido a 20% neste sábado de manhã.

AFP