Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Uma Ferrari Berlinetta de 1965 em exibição, em 27 de maio de 2014, em Mônaco.

(afp_tickers)

Uma Ferrari 250 GTO Berlinetta de 1962 quebrou na noite de quinta-feira o recorde de carro mais caro vendido em um leilão, ao alcançar os 38 milhões de dólares durante um evento realizado na Califórnia (oeste dos Estados Unidos), informou a imprensa local.

O recorde anterior era de um Mercedes-Benz W196 de 1954, adquirido no ano passado por 30 milhões de dólares na Inglaterra.

A Ferrari, leiloada na Semana do Automóvel de Monterrey (perto de San Francisco), leva o tradicional vermelho da fábrica italiana. O número do chassi 3851 GT.

Apenas 39 carros como este foram fabricados, de acordo com a casa de leilões Bonhams.

O carro, que teve sua montagem concluída em 11 de setembro de 1962, foi às pistas sendo guiado pelo piloto francês Jo Schlesser, que naquele ano disputou o Tour da França de automobilismo com o ex-esquiador e medalhista olímpico Henri Oreiller, também francês, segundo a Bonhams.

Mas a segunda corrida da dupla francesa terminou em tragédia em outubro de 62, no circuito de Montlhery, ao sul de Paris. Oreiller morreu no acidente.

"O carro ficou muito danificado depois de bater em uma mureta de proteção e, arrasado, Jo Schlesser o devolveu à fábrica para que voltasse a ficar novo em folha e fosse vendido depois", indicou a Bonhams.

Em 1965, o veículo passou para Fabrizio Violati, membro de uma abastada família italiana, que o usou para participar de corridas de carros clássicos e ficou com a máquina até morrer, em 2010.

O carro passou, então, a pertencer à Maranello Rosso Collezione.

O responsável pelo leilão, Robert Brooks, não revelou o nome do comprador.

Algumas celebridades que fazem parte do seleto grupo daqueles que têm uma Ferrari 250 GTO são o estilista Ralph Lauren; o baterista do Pink Floyd, Nick Mason e o herdeiro da rede Wal-Mart, Rob Walton, de acordo com o jornal Los Angeles Times.

AFP