AFP

O chef francês Stéphane Jego (e) e o chef refugiado sírio Mohammad El Jaldy (d) trabalham antes do festival, em Paris

(afp_tickers)

Várias cidades europeias, entre elas Paris, Madri e Roma, celebram este mês o "Refugee Food Festival", uma iniciativa que colocará à frente de mais de 80 restaurantes chefs refugiados.

Entre 15 e 30 de junho, estes estabelecimentos vão abrir suas cozinhas a chefs que fugiram da Síria, Índia e Eritreia, entre outros países, anunciou nesta segunda-feira a associação organizadora Food Sweet Food e sua parceira, a Agência da ONU para os Refugiados (Acnur).

O festival, criado em Paris há um ano e que adquiriu uma dimensão europeia, tem três objetivos: "mudar a visão sobre o refugiado", "oferecer um trampolim aos chefs refugiados" para facilitar seu acesso ao mercado de trabalho e "fazer com que as pessoas descubram as cozinhas de outros países", segundo os organizadores.

Os comensais vão degustar os "mezzes" sírios, as "crepes" do Sri Lanka e poderão participar de oficinas de cozinha.

No total, 84 restaurantes de 13 cidades, entre elas Bruxelas, Amsterdã, Atenas e Milão, participam do evento.

A primeira edição, organizada em Paris em junho de 2016, foi um "grande sucesso" com 11 restaurantes e "mais de 1.000 comensais", de acordo com os organizadores.

"Recebemos telefonemas de cidadãos de vários países da Europa e de outras partes que queriam organizar o Festival em sua cidade", explica Celine Schmitt, da Acnur.

"Quisemos apelar aos valores da cozinha" para "frear os discursos negativos (...) sobre os refugiados e sensibilizar os cidadãos franceses dirigindo-nos diretamente ao paladar", acrescentaram.

AFP

 AFP