Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi

(afp_tickers)

Um filme sobre o assassinato da ex-primeira-ministra indiana Indira Gandhi, que tem estreia prevista para esta sexta-feira, era alvo de críticas e pedidos de proibição por, supostamente, glorificar seus assassinos.

"Kaum De Heere" (Diamantes da Comunidade) conta a história dos seguranças sikhs de Gandhi que a mataram em 1984.

As juventudes do Partido do Congresso de Gandhi escreveram ao atual primeiro-ministro, Narendra Modi, dizendo que o filme apresenta os dois guarda-costas como heróis.

Uma fonte do ministério da Informação e Difusão afirmou que as autoridades ainda estão estudando se o filme poderá ser lançado ou não.

Segundo a imprensa local, as agências de inteligência alertaram para possíveis atos de violência no país caso a obra chegue às salas de cinema.

O exército indiano atacou, em 1984, sob ordens de Gandhi, o Templo Dourado dos sikhs em Amritsar, buscando separatistas instalados no local sagrado.

Meses mais tarde, dois dos seguranças de Gandhi dispararam contra ela, desencadeando uma onda de violência contra a comunidade sikh, que deixou 3.000 mortos.

AFP