Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Uma firma jurídica com sede nas Bermudas informou que espera a publicação de dados financeiros que podem afetar algumas das pessoas mais ricas do mundo, depois que ocorreu um incidente de informática que comprometeu a segurança de informações sigilosas

(afp_tickers)

Uma firma jurídica com sede nas Bermudas informou que espera a publicação de dados financeiros que podem afetar algumas das pessoas mais ricas do mundo, depois que ocorreu um incidente de informática que comprometeu a segurança de informações sigilosas.

A firma Appleby, que se apresenta como um dos escritórios de advogados offshore mais importantes do mundo, afirmou que recebeu recentemente pedidos do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ), grupo que revelou os chamados "Panama papers".

"Estes pedidos se baseiam em documentos que os jornalistas afirmam ter visto, e que colocam no banco dos réus assuntos da firma e de seus clientes".

A Appleby acrescenta que no ano passado registrou um incidente sobre a segurança de seus dados, sem dar mais detalhes.

Antecipando-se a eventuais revelações, o estudo refuta a existência de atos repreensíveis e asseghura que toda a alegação nesse sentido seria infundada.

A Appleby possui escritórios nas Ilhas Caimã, em Guernesey, na Ilha de Man, Jersey e Seychelles.

Em 2016, o ICIJ revelou as práticas de optimização fiscal e de sonegação de personalidades políticas ou esportivas, quando analisou e publicou os "Panama Papers", 11,5 milhões de documentos secretos da firma de advogados panamenha Mossack Fonseca.

Em sua edição desta quarta-feira, "The Daily Telegraph" anunciou que "os vazamentos dizem respeito a alguns dos britânicos mais ricos".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP