Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O furacão Irma deixou uma "grande devastação nas Florida Keys

(afp_tickers)

O furacão Irma deixou uma "grande devastação nas Florida Keys, disse na segunda-feira o governador Rick Scott depois de sobrevoar a zona, atingida desde a manhã de domingo pela fúria de ventos de mais de 200 km/h.

O furacão entrou nos Estados Unidos com categoria 4 (de um máximo de 5) sobre as Florida Keys, um conjunto de ilhas que se estende por 180 km a partir do sul do estado e estão conectadas por 42 pontes sobre o mar turquesa.

"Há devastação. Só espero que todos tenham sobrevivido, o que vimos foi horrível. (...) Há muitos danos", contou Scott.

Segundo relatos da imprensa, a última dessas ilhas, o popular destino turístico de Key West, se salvou da fúria do furacão.

Emily Copeland, que passa os fins de semana em seu trailer na ilha de Islamorada, disse que seu lar temporário ficou totalmente destruído, a julgar pelas fotos que recebeu de outros residentes que não abandonaram o local.

"Alguns trailers estão definitivamente destruídos, são um monte de escombros", contou.

"É horrível porque é uma comunidade muito especial e levará muito tempo para reconstruí-la, estamos todos muito mal", disse à AFP.

O acesso às Keys estava fechado, enquanto as autoridades limpam os escombros, árvores e areia nas pontes que sulcam o mar.

"Vimos muitos botes arrastados para a terra e vimos que praticamente todos os estacionamentos de trailers estavam destruídos", continuou Scott.

As Keys estavam sob ordem de evacuação obrigatória, mas aparentemente cerca de 10.000 pessoas se recusaram a sair, disse Bryan Koon, diretor do departamento de Gestão de Emergências da Flórida, ao Miami Herald.

O condado de Monroe, onde ficam as Keys, informou que as pontes não desabaram, embora tenham sofrido danos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP