Navigation

Foco de variante inglesa de covid-19 preocupa especialistas na Itália

Pessoas usam máscaras no Coliseu, em Roma, em 9 de outubro de 2020 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 04. fevereiro 2021 - 13:35
(AFP)

A Itália registra um surto da cepa britânica do coronavírus em uma cidade do norte e os especialistas pediram nesta quinta-feira (4) uma "atenção especial para a propagação de novas variantes" da covid-19.

Em 24 de janeiro, 24 pessoas, alunos e professores, deram positivo em uma escola em Corzano, cidade de cerca de 1.400 pessoas no norte.

As autoridades de saúde decidiram fazer testes em mais 189 pessoas, consideradas casos de contato, das quais 139 deram positivo, diz uma nota de imprensa das autoridades enviada nesta quinta-feira à AFP.

No entanto, apenas uma foi hospitalizada já que as outras tinham sintomas leves ou eram assintomáticas, disse a fonte.

"Foram sequenciadas 14 amostras e as 14 correspondem à variante britânica", detalhou a nota.

A fundação científica de saúde Gimbe alertou nesta quinta-feira contra um aumento das contaminações na Itália, destacando o perigo das novas variantes.

"Em comparação com a semana anterior, em nove regiões registramos um aumento na porcentagem de casos novos", disse Gimbe em um comunicado, citando os números da semana de 27 de janeiro a 2 de fevereiro.

"Esses sinais nos incentivam a acompanhar com muita atenção a difusão das novas variantes, reforçando o sequenciamento do vírus quando notamos um aumento anormal de novos casos", continua a mesma fonte.

Nino Cartabellotta, presidente da fundação, foi ainda mais alarmista.

"A ameaça de novas variantes, que já chegaram na Itália, podem fazer a curva de infecções explodir", declarou.

No final de janeiro, a Itália registrou vários casos da cepa brasileira e está sequenciando a amostra do primeiro caso potencial da cepa da África do Sul, segundo informou a imprensa italiana.

Itália, o primeiro país europeu fortemente afetado pela primeira onda de coronavírus, registrou quase 90.000 mortes desde o início da pandemia, e a terceira maior economia da zona do euro se afundou em sua pior recessão desde a Segunda Guerra Mundial.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.