Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Foguete na estação espacial de Kourou, Guiana Francesa, no dia 14 de fevereiro de 2017

(afp_tickers)

O lançamento de dois satélites, um brasileiro e um sul-coreano, por um foguete Ariane 5, adiado três vezes desde o final de março por uma greve na Guiana francesa, foi reprogramado para 4 de maio, anunciou na terça-feira a companhia Arianespace.

A empresa indicou em um comunicado que tinha "retomado as operações de preparação de três campanhas de lançamento em curso": duas com o Ariane 5 e uma com o foguete Soyuz.

O primeiro dos três lançamentos será realizado em 4 de maio, entre 20H31 e 23H19 GMT (17H31 e 20H19 de Brasília).

O acesso ao Centro Espacial de Kourou (CSG) foi desbloqueado no sábado passado após mais de um mês de mobilizações sociais, de modo que na segunda-feira foi possível retomar as atividades.

O foguete europeu deve colocar em órbita dois satélites. O primeiro, SGDC, para a Telebras S.A., tem um duplo uso - militar e civil.

Seu objetivo é garantir a comunicação segura por satélite das forças armadas e do governo, e ao mesmo tempo fornecer serviços de comunicação de banda larga a territórios isolados do Brasil.

O outro satélite, KOREASAT-7, da operadora sul-coreana Ktsat, tem como objetivo melhorar a banda larga e a cobertura na Coreia do Sul, Filipinas, Índia e Indonésia.

Ainda não foram anunciadas datas para os outros lançamentos, que deveriam ter sido realizados em abril.

O movimento social que paralisou a Guiana francesa durante mais de um mês custou "até 500.000 euros por dia à Arianespace" e seus sócios, afirmou no sábado em uma rádio francesa Stéphane Israël, diretor-geral da operadora de lançamento de satélites, reafirmando o objetivo de realizar 12 lançamentos neste ano.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP