Navigation

Foguete da Virgin Galactic cruza fronteiras do espaço pela primeira vez

Foguete da Virgin Galactic decola na Califórnia em 13 de dezembro de 2018 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 13. dezembro 2018 - 18:15
(AFP)

Um foguete da Virgin Galactic com dois pilotos a bordo voou mais alto que nunca, ultrapassando o que o Exército americano considera as fronteiras do espaço e se tornando o primeiro voo tripulado desde 2011 a realizar o feito a partir do solo americano.

Os Estados Unidos não tinham mandado ninguém para o espaço a partir do seu território desde o fim do programa de ônibus espaciais da Nasa em 2011, e utiliza os foguetes russos Soyuz para levar astronautas à Estação Espacial Internacional (ISS).

Desde então as empresas privadas que tentam construir veículos capazes de enviar astronautas ao espaço travam uma batalha comercial.

A Virgin Galactic superou uma etapa importante desta disputa nesta quinta-feira, quando seu aparelho VSS Unity conseguiu atingir uma altura de 82,7 quilômetros.

O VSS Unity não decolou diretamente da Terra; foi transportado por um avião de carga que saiu do Porto Espacial e Aéreo de Mojave, na Califórnia, com dois pilotos a bordo.

"Bem-vindo ao espaço", escreveu o grupo no Twitter.

"Viajamos a Mach 2,9 (cerca de 3.550 km/h). Isso é 2,9 vezes a velocidade do som", apontou.

O Exército americano considera que a fronteira do espaço se encontra a 80,4 km.

O voo representa uma vitória para esta sociedade espacial fundada pelo britânico Richard Branson, que quer enviar turistas ao espaço por 250.000 dólares o assento.

Branson, que em novembro afirmou na rede CNN que esperava ver seus pilotos chegarem ao espaço "antes do Natal", escreveu nesta quinta-feira em um comunicado: "Hoje, pela primeira vez na história, uma nave tripulada construída para levar passageiros chegou ao espaço".

A Nasa pagou a Virgin Galactic para que o VSS Unity voasse com quatro experimentos de ciência e tecnologia espacial "fazendo deste voo da Virgin Galactic o primeiro a gerar fundos", disse a companhia.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.