Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Rohingyas, em campo de refugiados de Kutupalong, em Ukhia, Bangladesh, no dia 23 de setembro de 2017

(afp_tickers)

O chefe das Forças Armadas de Mianmar, o general Min Aung Hlaing, acusou neste sábado os militares rohingyas de terem colocado uma bomba de fabricação caseira em uma mesquita na sexta-feira (22), cuja explosão não deixou vítimas.

Em comunicado publicado no Facebook, o general declarou que militantes dessa minoria muçulmana implantaram uma "bomba caseira" que explodiu na sexta-feira diante de uma mesquita situada em Mi Chaung Zay, comunidade de Buthidaung.

"É uma ação do grupo terrorista ARSA", acrescentou o comunicado utilizando a sigla do grupo Exército da Salvação dos Rohingyas de Arakan, rebelião organizada que surgiu em outubro de 2016 e cujos ataques de agosto provocaram a repressão das Forças Armadas.

A explosão não deixou vítimas, porémm devido ao bloqueio realizado pelo governo, o acesso à zona não é possível.

Rakáin, estado birmanês, sofre com uma onda de violência desde que, em 25 de agosto, grupos rebeldes rohingyas atacaram várias delegacias e foram repreendidos pelo exército.

Nas últimas semanas, mais de 429.000 muçulmanos rohingyas abandonaram a região de Rakáin e se refugiaram em Bangladesh, em meio ao que a ONU, ativistas dos direitos humanos e alguns líderes mundiais denominam como uma campanha militar de "limpeza étnica".

Porém, o fluxo de refugiados rohingyas em Bangladesh praticamente cessou, declarou neste sábado (23) autoridades locais.

"Nossos guardas da fronteira não viram rohingyas chegarem nesses últimos dias. A onda (de imigração) terminou", disse à AFP uma autoridade dos guardas fronteiriços de Banglahdesh, S.M. Ariful Islam.

Nem Bangladesh ou a ONU explicaram o motivo da queda no número de chegadas de refugiados rohingyas ao local.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP