Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Complexo médico no conjunto de Al-Shifaa, em Mossul, no dia 1º de julho de 2017

(afp_tickers)

As forças iraquianas retomaram um hospital e outras instalações médicas ao oeste de Mossul, intensificando o cerco ao grupo Estado Islâmico (EI) na parte histórica da cidade, de acordo com oficiais.

As tropas de Bagdá entraram na fase final de sua ofensiva para recuperar a segunda cidade do Iraque, deflagrada há mais de oito meses.

Os soldados iraquianos reconquistaram o hospital universitário Ibn Sina e outras instalações, como uma clínica e um banco de sangue, segundo informações dadas no sábado (2) pelo tenente-general Abdulamir Yaralá em um comunicado.

O comandante da Polícia Federal iraquiana, tenente-general Raed Shakir Jawdat, explicou que suas tropas reconquistaram o conjunto de Al-Shifaa, zona na qual se encontra o hospital, encurralando os combatentes do EI na cidade iraquiana.

"Nossas forças estão avançando em três direções distintas e estão empurrando o grupo terrorista até as poucas zonas que restam da parte histórica da cidade", disse Jawdat em comunicado.

As tropas de Bagdá tentam reconquistar o centro histórico de Mossul há semanas. Na última quinta-feira (29), ocuparam a mesquita de Al-Nuri, onde o líder do EI, Abu Bakr al-Bagdadi, fez sua única aparição pública em julho de 2014.

Antes de fugirem do local, os combatentes do EI provocaram explosões na mesquita e destruíram o famoso minarete que data do século XII, causando danos irreparáveis a esse patrimônio histórico.

Em 2014, o grupo extremista conquistou vastos territórios ao norte e ao oeste de Bagdá.

Apoiados pelos bombardeios da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, as forças iraquianas conseguiram, porém, retomar grande parte da área perdida nos últimos anos.

AFP