Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Soldados iraquianos na província de Samawah no dia 17 de fevereiro de 2016

(afp_tickers)

As forças iraquianas, empenhadas em uma ampla ofensiva contra o grupo extremista Estado Islâmico (EI) em Mossul, recuperaram na segunda-feira a tumba do profeta Jonas, um dos santuários mais importantes do país, destruído pelos jihadistas em 2014, anunciaram responsáveis.

"Recuperamos o controle da zona de Nabi Younis (...) e içamos a bandeira iraquiana sobre a tumba de Jonas", declarou à AFP Sabah al-Nomane, porta-voz das forças de elite do contraterrorismo (CTS), à frente da ofensiva em Mossul, bastião jihadista no Iraque que esperam recuperar.

Outros dois bairros do leste de Mossul também foram arrebatados do EI na segunda-feira, acrescentou.

Lugar de peregrinação, o santuário de Nabi Younis foi construído em um local onde havia antes una antiga igreja e um castelo, e os muçulmanos acreditam que ali foi enterrado Youni (Jonas), também reverenciado por cristãos e judeus.

Em julho de 2014, semanas depois de se apoderarem de Mossul, os extremistas dinamitaram o santuário, desencadeando uma onda de condenações.

Segundo a tradição bíblica, Jonas, que tentou fugir em barco após se recusar a pregar a penitência em Nínive (antigo nome de Mossul), foi lançado ao mar pelo capitão durante uma tempestade, e devorado por uma baleia, em cujo ventre permaneceu três dias. Após ser expelido pelo animal na praia, Jonas decidiu ir orar em Nínive.

O grupo ultrarradical sunita EI atacou outros locais simbólicos no Iraque, especialmente lugares de culto xiitas, comunidade que considera herética.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP