Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O maior abalo foi sentido às 13h06 local (mesmo horário em Brasília), com um epicentro localizado a 7 km ao sul de Valparaíso, de acordo com o Bureau

(afp_tickers)

Dois tremores de 6 e 5,8 de magnitude foram sentidos no centro do Chile, nesta sexta-feira (28) - informou o Bureau Nacional de Emergências (Onemi).

Na última segunda (24), um terremoto de 6,9 de magnitude já havia sido registrado nesse mesmo local, sem deixar vítimas, ou causar danos significativos, de acordo com o Onemi.

O maior abalo foi sentido às 13h06 local (mesmo horário em Brasília), com um epicentro localizado a 7 km ao sul de Valparaíso, de acordo com o Bureau.

O outro, de 5,8 graus na escala Richter, foi registrado às 12h30 locais (mesmo horário em Brasília), com epicentro a 41 km da localidade de El Tabo, próxima a Valparaíso.

Os sismos foram precedidos por uma série de movimentos de menor magnitude, que vêm sendo sentidos na zona central do Chile desde o terremoto ocorrido na tarde de segunda-feira. Seu epicentro foi em Valparaíso (a 120 km de Santiago).

Somente nesta sexta quase 60 sismos de pelo menos três graus Richter foram sentidos no Chile, a maioria deles ainda réplica do terremoto de segunda, relataram as autoridades.

"Não há qualquer informação sobre algum dano", afirmou o diretor do Onemi, Ricardo Toro, após a ocorrência dos sismos de 6 e 5,8 graus.

"A zona segue ativada", explicou o diretor do Centro Sismológico Nacional, Sergio Barrientos, ao comentar as réplicas desde o início da semana, acrescentando que o nível de sismicidade vai "decrescendo".

Em Valparaíso, as aulas foram suspensas, como medida preventiva.

O Chile é um dos países com mais abalos sísmicos no mundo, onde aconteceu o maior terremoto da história, em 1960, cuja magnitude alcançou 9,5.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP