Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Gabriela Zapata, ex-companheira do presidente boliviano Evo Morales, em La Paz, no dia 26 de fevereiro de 2016

(afp_tickers)

Fotografias sensuais de Gabriela Zapata, ex-namorada do presidente boliviano Evo Morales, supostamente dedicadas por ela a uma autoridade próxima ao mandatário, foram divulgadas nessa segunda-feira pela imprensa local, em meio à polêmica que o governo classifica de "complô".

"Sim, há fotografias, a família as enviou, continua sendo parte dessa conspiração, desse complô, dessa telenovela. Primeiro é uma coisa, depois outra e agora essas fotografias", manifestou o ministro de Autonomias, Hugo Siles, a jornalistas.

"Tentam continuar promovendo o show, o espetáculo e é lamentável, lamentável. Como governo temos coisas mais importantes para nos referir do que uma cidadã com pouca roupa", protestou Siles.

"Comentaram comigo, mas eu nem sequer vi as fotos, me falaram do assunto, mas estamos ocupados no tema jurídico", disse Eduardo León, o advogado de Gabriela Zapata. Segundo o jurista trata-se de "um tema mais de (revista) Playboy do que de outra cosa".

No início de fevereiro, um jornalista boliviano revelou a relação entre o presidente e Gabriela Zapata, ex-gerente da firma chinesa CAMC que conseguiu contratos milionários com o Estado e que se encontra atualmente detida em La Paz, investigada por enriquecimento ilícito.

AFP