Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Alojamento para refugiados colombianos, em Cúcuta, Colômbia, no dia 27 de agosto de 2015

(afp_tickers)

A OEA rejeitou nesta segunda-feira o pedido da Colômbia para uma reunião especial de chanceleres sobre a crise diplomática entre Bogotá e Caracas provocada pelo êxodo forçado de milhares de colombianos do território venezuelano.

"Vamos continuar com nossas propostas (...). Isto está apenas começando", disse o embaixador colombiano Andrés González após a votação.

A convocação da reunião extraordinária de chanceleres da Organização dos Estados Americanos (OEA), proposta pela chanceler colombiana, María Ángela Holguín, obteve 17 votos, um a menos que o necessário.

O pedido foi apoiado por Uruguai, Estados Unidos, Chile e México, entre outros, e rejeitado por Equador, Haiti, Bolívia e Nicarágua.

Outros onze países se abstiveram, incluindo Panamá, que insiste em mediar a crise.

Holguín reagiu dizendo que é preciso rever o papel da OEA, porque não tem sentido "se não é capaz sequer de servir de fórum sobre um tema como violação dos direitos humanos, um tema que interessa a toda a região...".

Segundo a chanceler colombiana, com a decisão de não convocar os ministros das Relações Exteriores "quem perdeu foi o continente, perdeu a OEA por não haver um debate tão importante".

Durante a reunião - de mais de três horas - na sede da OEA em Washington, Colômbia e Venezuela expressaram pontos opostos sobre a situação na fronteira.

A Colômbia pediu uma "rápida ação" da OEA para resolver a crise diplomática envolvendo o êxodo forçado de milhares de colombianos do território venezuelano.

"Trata-se de uma situação humanitária grave, complexa e que requer uma rápida reação, expressão e atitude de todos nossos países americanos", declarou o embaixador colombiano diante da OEA, Andrés González.

O embaixador venezuelano, Roy Chaderton, defendeu diante da OEA a decisão "democrática" de seu governo de fechar a fronteira com a Colômbia e deportar colombianos, e expressou sua "suspeita" de que a reação de Bogotá corresponde a interesses eleitorais, prévia às eleições locais em outubro.

"Algo pode parecer suspeito pela magnitude do escândalo que foi feito sobre uma decisão soberana do governo da Venezuela", disse Chaderton.

Para o diplomata, a verdadeira "crise humanitária é a que produziu o êxodo de cinco milhões e meio de colombianos" que cruzaram durante anos a Venezuela fugindo do conflito armado em seu país.

A discussão na OEA constitui o primeiro passo para levar a crise binacional ao terreno dos organismos multilaterais regionais.

A reunião dos chanceleres da Unasul para tratar da crise, anunciada por Bogotá para esta quinta-feira, em Quito, foi adiada, a princípio para o dia 8 de setembro.

O encontro "não será no dia 3 (de setembro), e está ciente a presidência temporária" da União das Nações Sul-Americana (Unasul), que exerce no Uruguai, disse à imprensa Xavier Lasso, chanceler encarregado do Equador

Lasso justificou o adiamento porque no início de setembro a chanceler da Venezuela, Delcy Rodríguez, estará em visita oficial na China e no Vietnã.

"Vamos ver se a Colômbia aceita o dia 8 (de setembro). O que está claro é que o dia 3 não é possível", informou o chanceler.

Holguín comentou o adiamento afirmando que "vamos avaliar se vale à pena e se justifica ir à Unasul".

Segundo números do governo colombiano, as autoridades venezuelanas deportaram cerca de mil de seus compatriotas e mais de 6.000 voltaram a seu país voluntariamente por medo de serem expulsos à força, ficarem separados de sua família e perderem seus pertences.

A tensão entre Bogotá e Caracas começou em 19 de agosto com o fechamento de alguns pontos fronteiriços pelo presidente Nicolás Maduro após um ataque de desconhecidos a militares venezuelanos, que o governo da Venezuela atribui a "paramilitares colombianos".

A crise se aprofundou mais na quinta-feira passada, quando ambos países chamaram para consultas seus embaixadores.

Na sexta-feira Maduro ampliou um estado de exceção par a dez municípios da zona fronteiriça "para limpar o paramilitarismo, a criminalidade, o contrabando, os sequestros e o narcotráfico".

Segundo González, entre os refugiados encontram-se "mais de 244 meninos e meninas. Não são paramilitares", afirmou.

AFP