Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Vários imigrantes tentam tirar um bebê da água enquanto esperam para serem resgatados, em 4 de outubro de 2016, na costa da Líbia, no Mar Mediterrâneo

(afp_tickers)

Os ministros do Interior francês, italiano e alemão se reunirão neste domingo à noite, em Paris, para estudar uma forma de ajudar a Itália a enfrentar a chegada de imigrantes a sus portos, informou nesta sexta-feira uma fonte francesa envolvida no encontro.

O ministro francês Gérard Collomb receberá seus homólogos italiano e alemão, Marco Minniti e Thomas de Maizière, e ao comissário europeu de Migração, Dimitris Avramopoulos.

A reunião acontece depois que a Itália ameaçou, na quarta-feira, negar a entrada em seus portos de barcos estrangeiros que transportam emigrantes resgatados no Mediterrâneo.

"O objetivo é ter um enfoque coordenado e concertado sobre os fluxos migratórios no Mediterrâneo central" e "ver como podemos ajudar melhor os italianos", antes da reunião informal de ministros do Interior da União Europeia, prevista para 6 de julho em Tallin, na Estônia, disse essa fonte à AFP.

A Itália pede uma maior solidariedade de seus sócios europeus frente a crise migratória. O país registrou desde o início do ano mais de 73.300 chegadas de imigrantes, 14% a mais do que no mesmo período de 2016. A maioria deles vêm da Líbia.

"Se continuarmos com esses números, a situação não vai poder ser administrada, inclusive em um país grande e aberto como o nosso", declarou o presidente italiano Sergio Matterella em Ottawa.

O primeiro-ministro Paolo Gentilonio pediu, por sua vez, aos demais países da UE que façam uma "contribuição concreta" para ajudar Roma.

A Comissão Europeia incitou o governo italiano a estabelecer um diálogo. "Entendemos as preocupações da Itália e apoiamos seu apelo para mudar a situação", declarou nessa quinta-feira uma porta-voz da Comissão. Mas "toda mudança de política deve ser abordada primeiro com os demais Estados-membros", acrescentou.

AFP