Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Caminhões na estrada, no dia 14 de abril de 2017, em Chamonix, França

(afp_tickers)

A França anunciou nesta quinta-feira que colocará fim à comercialização de veículos a diesel e a gasolina em 2040, como parte de um plano para atingir os objetivos do acordo internacional de Paris contra as mudanças climáticas.

"Anunciamos o fim da venda de veículos a gasolina e diesel para 2040", declarou o novo ministro de Ecologia, Nicolas Hulot, ao apresentar o "plano clima" do governo.

Hulot admitiu que a meta anunciada será "árdua", especialmente para os fabricantes.

Trata-se de uma "verdadeira revolução", mas "as condições" para isso "estão reunidas", acrescentou.

"Nossos próprios fabricantes (de automóveis) têm como alimentar e encarnar esta promessa, (...) que é também uma questão de saúde pública", acrescentou.

A França fabrica o carro 100% elétrico mais vendido na Europa, o Renault Zoe, que ultrapassa por pouco as vendas do Mitsubishi Outlander PHEV e do Nissan Leaf.

A fabricante sueca Volvo Cars anunciou na quarta-feira que a partir de 2019 lançará apenas modelos elétricos ou híbridos, sendo a primeira a prometer o "final histórico" dos veículos equipados apenas com motor de combustão.

Hulot citou o caso da Volvo ao fazer seu anúncio, que faz parte de um plano para que a França seja um país "neutro" em emissões de dióxido de carbono em 2050.

Hulot é um ativista ambiental veterano, e sua nomeação pelo presidente Emmanuel Macron foi interpretada como um sinal animador para a luta contra as mudanças climáticas.

Vários países anunciaram querer reduzir drasticamente o número de carros altamente poluentes nas estradas em favor de híbridos e elétricos, mas até agora poucos elaboraram promessas concretas.

"Nos interessa estar entre os pioneiros. Quanto antes investirmos, antes contaremos com a tecnologia adequada e estaremos melhor situados na esfera industrial e trabalhista", disse à rádio francesa France Info o responsável do World Wildlife França, Pascal Canfin, saudando o anúncio de Hulot.

AFP